O Conselho de Ministros aprovou hoje, 17 de setembro, a classificação do edifício do Posto de Comando do Movimento das Forças Armadas (MFA), na freguesia da Pontinha, como monumento nacional.

O Posto de Comando do Movimento das Forças Armadas, que funcionou no Regimento de Engenharia Nº 1 (Pontinha), nos dias 24, 25 e 26 de Abril de 1974, foi decisivo para o sucesso da Revolução dos Cravos, inscrevendo, assim, a Pontinha e o atual Concelho de Odivelas numa das mais importantes páginas da História de Portugal do séc. XX.

O Núcleo Museológico do MFA, instalado neste edifício, é propriedade da Câmara Municipal de Odivelas, tendo sido inaugurado a 24 de abril de 2001, com a presença do Primeiro-ministro Antonio Guterres.

Hugo Martins, atual presidente da Câmara Municipal de Odivelas, lembrou, em entrevista ao Odivelas Notícias hoje realizada que a «A Câmara Municipal de Odivelas, em colaboração com o Regimento de Engenharia nº1 da Pontinha, fez um investimento na dignificação deste espaço, com o objetivo não só de eternizar a memória daquele que foi o centro de operações do MFA, nas condições originais, mas, acima de tudo de divulgar a importância desta data maior da história nacional, sobretudo junto do público mais jovem».

Informação municipal dá conta de que «O Núcleo Museológico do MFA já foi visitado por mais de 60.000 mil pessoas, tendo sido o coração das comemorações de grande relevo que esta Câmara municipal realizou aquando dos 40 anos do 25 de abril».

Para o edil de Odivelas «Este é um dia muito feliz para a Câmara Municipal de Odivelas. Desde 2001 que reivindicamos a classificação deste edifício como património nacional, tendo levado a cabo diversas ações e iniciativas em conjunto com a sociedade civil e muitos historiadores que se associaram à nossa causa».

O Movimento Cívico Posto de Comando Sempre foi uma das organizações que lutou por esta classificação tendo numa fase mais embrionária contado como seus membros o saudoso presidente da Junta de Freguesia da Pontinha, José Guerreiro, o historiar Jorge Martins, um dos responsaveis pela instalação do Núcleo Museológico do Posto de Comando do MFA, enquanto assessor do então vereador da Cultura da CMO, Carlos Lourenço; a professora Fernanda Carvalho e o jornalista que assina esta peça, então no jornal local online Coisas da Pontinha.

Mais tarde o Movimento Civico Posto de Comando Sempre alargou-se a mais cidadãos da Pontinha e lançou uma Petição Pública que Jorge Martins e Henrique Ribeiro entregaram à comissão respetiva da Assembleia da Reoública e de onde saiu a recomendação ao Governo que iniciou o processo hoje concluído com a aprovação em Conselho de Ministros desta classificação.

Em declarações ao Odivelas Notícias Jorge Martins, disse: «É com muita satisfação que recebo esta notícia. A classificação como Monumento Nacional é muito importante porque foi uma luta muito longa, porque se corria o risco, como noutros espaços tem acontecido de se perder este local. Recordo o exemplo mais gritante que foi a transformação do edifício sede da antiga PIDE, na Rua António Maria Cardoso, em condomínio de luxo. Corríamos o risco de ser ir apagando a memória, quer da resistência à ditadura quer do Dia da Liberdade, com a conquista da Liberdade e da Democracia a 25 de Abril de 1974. O Posto de Comando, a par do Quartel do Carmo, são os dois grandes lugares míticos da Revolução dos Cravos.

Portanto, convinha preservar este, que era fulcral, porque foi daqui que se dirigiram todas as operações da Revolução.

É com grande alegria que fico a saber que valeu a pena tanta gente ter lutado se ter mobilizado para conseguir esta classificação. Hoje é um dia de festa para a democracia e para a liberdade».

 Henrique Ribeiro